Agradecimentos e Pesquisa de Satisfação

O Maracatu Itá agradece a todos os envolvidos no II Diálogos em Maracatu!

Ao Mestre Shacon Viana e Mestra Joana Cavalcanti, além dos batuqueiros presentes Ivanzinho e Água, por toda a disposição, conhecimento e alegria que trouxeram para nós! É um aprendizado único estar com vocês! Obrigada!

Aos grupos e batuqueiros presentes com alegria, disposição, vontade e parceria, que enriqueceram nossa cidade com seus sotaques, e que acreditaram em nossa produção, nos dando a força para acreditar que daria certo. Obrigada pela presença de todos vocês! Grupo Morro do Ouro, Ingazeiro Maracatu, Semente de Angola, Encanto do Sul, Caraxalê, Bloco de Pedra, Chapéu de Sol, Estrela do Sul, Voa Voa Maracatu, muito Axé!!!

Aos batuqueiros da Nação Estrela Brilhante do Recife, que enriqueceram nossa vivência mostrando que Nações de Maracatu podem e devem ser irmãs! Obrigada pela presença, Isabelle Caldas, Sabrina Araujo e Thiago Rodrigo!

Ao Restaurante Estrela da Terra e ao nosso batuqueiro parceiro Carlos Guerra, por todo apoio, ajuda, disposição e comida deliciosa!!

Aos admiradores do Maracatu em Curitiba, por nos acompanhar e apoiar sempre que estamos na rua!

A todos do Maracatu Itá que acreditaram e se dispuseram a produzir mais um Diálogos: nossa família é única!!!!!!

E para avaliação da nossa produção e a constante melhora de nossos encontros, responda nossa Pesquisa de Satisfação e nos ajude a aprimorar nossa produção!
Asè
Anúncios

Maracatu tem seu Asè – No Darrum dos tambores

O Diálogos em Maracatu surge como uma proposta de alimentar conversas e debates que fundamentem e aproximem nossas ações das tradições do Maracatu de Baque Virado. Para isso, buscamos cada vez mais a aproximação com aqueles que são detentores dessa cultura, e dessa forma estão em sua raíz.

A vinda dos convidados do Maracatu Nação Porto Rico – Mestre Shacon Viana e Mestra Joana D’arc, além do batuqueiro Ogã Ivanzinho, acontece exatamente na continuidade de um debate que surge no I Diálogos em Maracatu – o debate sobre o natural vínculo com o sagrado e nossas formas de nos relacionar com ele (seja como grupo ou indivíduos).

Então, o que é essa energia? O que é este vínculo, que em sua prática de raiz é um dos tripés da manifestação do Maracatu Nação?

Todo Maracatu tem seu Asè. É daí que vem a força do Maracatu, a proteção e a energia, aquilo que envolve e que também transforma qualquer um que o cruza.

No Darrum dos tambores está a pura comunicação enérgica dos Ogãs, seus tambores e a terra – os Orixás. Darrum engloba tudo: história, vida, tradição. Através dele que o tambor diz quem ele é, qual Orixá é presente. (Shacon Viana)

Através da conversa, procuramos produzir debates que nos forneçam instrumentos para diferenciar uma simples sincronia dos sons dos tambores – do universo que é o Maracatu Nação – de um grande envolvimento e movimento que acontece em comunidade, com relações familiares, de fé, de amor e entrega.

Para isso, nosso II Diálogos em Maracatu será recheado de muitas interrogações, fotos, videos, , trocas e claro, darruns, batuque. Iniciaremos mais um debate que tem, em seu leque, diversas outras possibilidades temáticas, dando continuidade e fomentando o fundamento em nossos trabalhos.

Aproveite a última semana de inscrições! Garanta sua vaga!
Ou acesse mais Informações sobre o evento!

Com muito Asè
Maracatu Itá.

(Foto de: Maria Clara Flor)

Entendendo mais sobre o Baque da Nação Porto Rico

Gravação da entrevista com Chacon – Porto Rico, projeto História e memória dos Maracatus Nação de Pernambuco, financiado pelo FUNCULTURA e executado no Laboratório de História Oral e da Imagem da UFPE (LAHOI).
__________________________________________________________________________________

O II Diálogos em Maracatu – Maracatu tem seu Asè: No Darrum dos Tambores ocorrerá nos dias 3, 4 e 5 de agosto na cidade de Curitiba, Paraná.

Para saber mais, acesse a aba Eventos > II Diálogos > Informações.
Em caso de dúvidas, envie um email para dialogos.maracatuita@gmail.com.

II Diálogos em Maracatu

É com grande alegria e satisfação que o grupo Maracatu Itá anuncia a realização de seu II Diálogos em Maracatu. Seguindo a linha da primeira edição teremos, além da oficina prática, a possibilidade da abertura do diálogo entre os convidados e oficineiros, com exposição de material audiovisual para que o debate e a troca façam parte do aprendizado fundamental para a compreensão do todo. Nesta edição teremos as presenças de Mestre Shacon, Mestra Joana e Ivanzinho dialogando sobre Religião, Maracatu e História “No Darrum dos Tambores”.

O II Diálogos em Maracatu – Maracatu tem seu Asè: No Darrum dos Tambores ocorrerá nos dias 3, 4 e 5 de agosto na cidade de Curitiba, Paraná.

 

Para saber mais, acesse a aba Eventos > II Diálogos > Informações.
Em caso de dúvidas, envie um email para dialogos.maracatuita@gmail.com.

 

Sucesso!

Gostaríamos de agradecer a todos pela presença marcante e enérgica em nosso I Diálogos em Maracatu!

Foi um fim de semana especial, de muitos aprendizados e trocas e que apenas fortificou nosso Axé e nossa força para seguir em frente, representando e fomentando o Maracatu!

Um agradecimento à todos que fizeram parte dessa linda vivência!!!!
Um agradecimento especial a Angela Gaeta e Aurelio Prates, que trouxeram um pouco de suas vivências na longa estrada de pesquisa do Maracatu, e também aos fotógrafos que cederam suas belas fotos para nossa exposição (Maria Clara Flor, Victor Herege, Rogério Santana e outros!)

E vamos bombar o próximo, hein povo! Mantenham-se informados, em breve postaremos as datas e o tema do próximo! Se alguém tiver interesse em colaborar para a execução do próximo evento, entre em contato por email: maracatu.ita@gmail.com

Axé!!!!!!!!

Para ajudar na nossa produção, responda nossa pesquisa de satisfação:

Preparativos!

Bom dia Batuqueiros!!!

Estamos na reta final dos preparativos para nosso I Diálogos em Maracatu – Movimento: A Dança e os Agbês!!!

As inscrições estão encerradas e, dentro delas, teremos participação de diversos grupos de variadas cidades – e isso nos deixa muito feliz!

Além disso, teremos a vinda do fotógrafo Victor Herege (SP), com participação na mesa redonda, algo que surgiu durante as inscrições (e também nos deixou muito feliz!).

Alguns lembretes para seus preparatórios:

Não esqueça de trazer uma saia (homens também podem usar…!), um agbê e um mineiro/ganzá (caso você tenha), muita energia e muitas reflexões! Caso você tenha algum vídeo interessante – dentro do nosso tema do diálogos – traga-o em um pendrive. O mesmo vale para fotos!
Para quem vem de fora de Curitiba, não esqueçam de organizar as hospedagens (tem tudo em informações, aqui no site, e também estamos disponíveis para ajudar) e suas locomoções por aqui! Também não esqueçam suas roupas de frio, pois Curitiba é imprevisível!

Para aqueles que ainda não pagaram suas inscrições, o prazo é amanhã às 12hs. Caso haja algum impedimento, entre em contato para conversarmos e estarmos cientes (email: maracatu.ita@gmail.com). =)

Qualquer dúvida ou ajuda, estamos totalmente disponíveis!
Um grande Axé, nos vemos em breve!

As inscrições se encerram hoje!

Hoje é o prazo final para a inscrição no I Diálogos em Maracatu!

Ainda não sabe o que é o evento, quem são os convidados ou qual a programação? Confira!

Você pode se inscrever através do nosso Formulário. Após preenche-lo, você deverá realizar o depósito referente ao seu valor de inscrição (enviado via email) e enviar-nos o comprovante de pagamento até dia 31/05/2012.

ATENÇÃO! Comprovantes não enviados até esta data podem acarretar o cancelamento da sua inscrição! Caso haja qualquer problema que impessa esse pagamento ou o envio do comprovante, contate-nos o quanto antes por email (maracatu.ita@gmail.com).

Para aqueles que virão de outras cidades, não esqueçam de organizar suas estadias – temos hostels indicados em nas informações do evento!

 

Qualquer dúvida, entre em contato, estamos à disposição!

Axé!!!!!

 

Boas notícias (e prazo de inscrições caminhando para o fim!)

Você já se inscreveu no I Diálogos em Maracatu? Não????

Não esqueça que nossas inscrições terminam no dia 28/05 !

Nosso evento está se espalhando nas diversas cidades do Brasil e o resultado está sendo muito satisfatório! Já teremos a participação de integrantes de grupos de diversos lugares diferentes e que participam, pesquisam e representam o maracatu com respeito e fundamentação!

Também teremos possível vinda de Jordana Schiavini, pesquisadora, instrumentista e dominadora do Agbê, participante do Maracatu também há anos! Ela também é uma das criadoras da metodologia de ensino do agbê no maracatu de baque-virado, em parceria com Angela Gaeta. Virá apoiando nosso evento e, se tudo der certo, também vai ministrar junto com Ângela, as oficinas de agbê do diálogos.

Outra ótima notícia é a possível vinda dos fotógrafos Victor Herege e Maria Clara Flor , os quais teremos fotos expostas no Diálogos, para participação em nossa Mesa Redonda, trazendo como principal discussão a significação do movimento e do “corpo presente e tocante/dançante” no maracatu através do olhar das lentes.

Estamos agilizando todas essas vindas para agregar mais e mais em nosso evento! Agregue-se também!

Enfim, tudo isso só se resume em uma coisa:Você não pode perder!

Até dia 28/05, inscreva-se através de nosso formulário! Não é necessário conhecimento prévio! Participe!

Mas, o que é o Agbê?

 

O Agbê (ou xequerê) é um instrumento de origem africana, produzido através de uma cabaça revestida com uma rede de miçangas e que, quando tocado, produz um som típico e que sustenta e preenche os intervalos rítmicos de um toque ou baque.

Historicamente, o agbê não é um instrumento de Maracatu e sim de cultos religosos (principalmente do Candomblé). A maioria dos instrumentos tradicionais tem uma função religiosa. Nesse sentido, eles são considerados sagrados e, ao contrário do que muitos pensam, não são representação divina, mas sim o próprio deus. O xequerê, do ioruba sèkèrè (cabaça- tambor com redes de búzios), tem seu mito de nascimento nos versos do odú Eji Oko a explicação de como uma simples cabaça ganhou sua “túnica” de búzios.

 Na história, os acontecimentos ensinam que muito espertamente o xequerê roubou a roupa de outro instrumento, um grande amigo, para apresentar-se na frente do rei. Importante lembrar que o búzio era usado como moeda entre os iorubas e só pessoas muito ricas o tinham em grande quantidade para usar em roupas, brincos ou colares.
Mais um importante nome desse instrumento é o agbê, do ioruba agbe,kengbe ou ainda akeregbe. Segundo o antropólogo Vivaldo da Costa Lima, é esse instrumento que nomina os conhecidos alabês, do ioruba alagbe (dono do agbê), os fantásticos tocadores-chefes e cantadores dos candomblés brasileiros.

Até o final da década de 1980, o agbê não era um instrumento popular no estado de Pernambuco. Nessa época, Afoxés passam a ser comuns no carnaval de Recife, e o agbê passa a tornar-se mais presente nesses grupos.

No ano de 1997 uma das tradicionais Nações de maracatu de Recife introduz o agbê entre seus instrumentos – tocado por uma figura masculina. A partir de então – e aos poucos – outras Nações também introduziram o instrumento em seus baques, desenvolvendo uma nova forma de tocá-lo e gerando as grandes alas de agbê que encontramos hoje em alguns maracatus de Recife.

Confira um vídeo com um pouco do trabalho didático que Angela Gaeta e Jordana Schiavini criaram no Projeto Calo na Mão para introduzir e estimular o aprendizado das meninas que queriam tocar agbê. Note que é uma série de vídeo-aula – só para dar um gostinho de como será nossa oficina no Diálogos!

 

Foto por: Rogério Sant’Anna

Fontes: Talabatuquee e Casa do Tambor Percussão

 

Conheça um pouco mais…

Vocês devem estar curiosos para conhecer um pouco mais do trabalho dos nossos convidados para o Diálogos…

Por isso, além de recomendá-los ler e conhecer melhor Angela Gaeta  e Aurelio Prates, escolhemos também um vídeo que os mostra em ação.

Este vídeo, produzido por Francisco Schuller Isensee, mostra um pouco do trabalho feito no Projeto Calo na Mão, do Grupo Bloco de Pedra. É um projeto pioneiro, na cidade de São Paulo, em oferecer oficinas de Maracatu gratuitas e irrestristas. Angela e Aurélio, como muitos outros artistas de São Paulo, também tiveram o primeiro contato com a manifestação ali.

É um projeto muito legal, que respeita e carrega o Maracatu com seriedade e permite que muitas pessoas tenham seu primeiro contato e acesso à manifestação, possibilitando assim a criação de novos grupos e a formação de novos artistas na cidade. Ainda, nos últimos anos, o projeto recebe apoio do Programa VAI, possibilitando diversos recursos que incrementam o contato com o Maracatu. Vale a pena conhecer! (Saiba mais em blocodepedra.maracatu.org.br).

Veja o vídeo, atente-se ao nosso formoso Aurélio coordenando a Ala da Dança e nossa querida Angela na Ala dos Agbês!

Aguarde novos posts com fotos, vídeos e mais informações sobre nossos convidados!

Axé!